Matas de minas: estratégia de desenvolvimento territorial

0
152
matas de minas

A região das matas de minas é consagrada por sua reputação na produção e oferta de determinado bem ou serviço. Nelas suas entidades, empresas e produtores se esforçam para organizar e alinhar as estratégias para diferenciá-los e valorizá-los.

Precipuamente, estas instituições contam com o apoio do Sebrae para discutir e implementar Projetos de Identidade e Origem. Quando atendidas tais premissas, esses projetos são concebidos, estruturados, executados e monitorados pelo Sebrae e seus parceiros. Tudo com base na estratégia de promoção do desenvolvimento das regiões.

Identidade de origem

Os projetos executados com a abordagem de Identidade e Origem podem estar localizados nas diversas regiões do Estado. Além disso, podem apresentar diferenças entre produtos ofertados ao mercado; estrutura; cultura; maturidade empresarial; estágio de desenvolvimento; liderança e visibilidade. Além destes, diversos outros fatores que influenciem no nível de intervenção e abordagem adotados.

Inegavelmente, a Região das Matas de Minas, cujo desenvolvimento está intimamente relacionado ao agronegócio do café, é uma das contempladas com esta dinâmica de trabalho. Logo, a região, em área contínua, é composta por municípios. Eles estão situados ao leste do Estado de Minas Gerais, em área de Mata Atlântica, com forte influência econômica e social da atividade cafeeira.

Matas de Minas

Em 2010, a partir de estudos realizados com a participação direta de atores ligados à cafeicultura regional, o Sebrae e parceiros institucionais estruturaram o Projeto Café das Matas de Minas.

Ele apresentava a proposta de valorização da região produtora. Isto é feito considerando quatro pilares de atuação: a qualidade do produto; a valorização da identidade regional; a consolidação da governança setorial e o acesso a mercados diferenciados de café.

Caso estes quatro focos sejam executados de forma sinérgica, permitiram a integração das entidades regionais em torno de um objetivo comum. Este objetivo é o desenvolvimento da Região das Matas de Minas, de seus produtores e da atividade cafeeira como um todo.

Organização setorial

Neste contexto, lideranças da cafeicultura local optaram pela estruturação de uma governança setorial ou regional para a cadeia produtiva, centrada na participação da iniciativa privada.

Por isso, em 2014, as instituições de representação do setor produtivo se organizaram formalmente em torno do Conselho das Entidades do Café das Matas de Minas. Ele é constituído por: Cooperativas de Produção e de Crédito; Sindicatos de Produtores e de Trabalhador Rurais; Associação de Produtores de Cafés Especiais; Associação das Mulheres do Café e membros institucionais.

Por isso, o Conselho tem por objetivos promover a região, proteger o uso da Marca Regional e controlar o processo de utilização da mesma.

Marca Regional

A Marca Regional foi criada a partir do esforço conjunto das entidades setoriais e seus parceiros institucionais. Além disso, busca expressar a identidade das Matas de Minas, intimamente ligada à cafeicultura, suas características e seus valores.

Ela também direciona, ainda, a estratégia de atuação da região pautada na qualidade artesanal do produto. Além disso, também leva em consideração a sustentabilidade natural da atividade e sua relação visceral com a Mata Atlântica.

Além disso, foca no desenvolvimento coletivo, devido ao alto grau de interatividade entre produtores, colaboradores e parceiros envolvidos na produção do café.

Ou seja, a marca é mais que um logotipo. Ela é a expressão do DNA da região, daquilo que move as pessoas e instituições. Ela é a tradução da personalidade do território e do comportamento de seus integrantes e de como eles buscam o seu propósito, sua razão de ser e de existir.

Certamente, o propósito gera pertencimento e aproxima as pessoas. E é isso que se procura expressar com o uso da Marca Regional. O Conselho das Entidades do Café das Matas de Minas é o grande guardião desta estratégia. É quem irá gerir o uso da marca pelos produtores, empresas e instituições locais.

Outrossim, a qualidade do produto e as suas características estão diretamente associadas aos conceitos da estratégia da Marca Regional. A grande variação da altitude onde são cultivadas as lavouras, aliada às condições climáticas, de solo e de interatividade com a Mata Atlântica resulta em cafés de qualidade artesanal. E também em uma grande diversidade de nuances e sabores diferenciados.

Promoção regional

Em suma, através da observância de critérios predefinidos em regulamento específico e da garantia da rastreabilidade do café, o Conselho irá conceder a lotes de café verde. Inicialmente, o Selo Região das Matas de Minas.

Assim, por meio deste mecanismo, irá promover e comunicar a região nos principais mercados do Brasil e do mundo. A partir de 2017, o selo estará à disposição para utilização pelos produtores interessados e que atendam aos requisitos estabelecidos no Regulamento de Uso.

Baixe Grátis

Cartilha - Mercado de café: características e oportunidades